A cunhagem do Império Parta


A história da família real do Império Parta (247 a.C. a 228 d.C.) é um registro sombrio de filhos assassinando pais e irmãos matando irmãos para tomar um trono instável. No entanto, durante a maior parte do período, a Pártia ofereceu um governo razoavelmente eficiente a uma população de gregos, persas e árabes, tolerando cristãos, judeus, pagãos, zoroastristas e budistas.

O Império Parta era um dos impérios da Pérsia Antiga. Os partas lutaram contra o declínio do Império Selêucida, resistiram ao poder crescente de Roma, detiveram ondas de nômades invasores da Ásia Central e mantiveram aberta a Rota da Seda para a China. Confira essa história através das moedas da época.

Você também pode gostar de ler:

➡️ As moedas do Império Aquemênida

➡️ Zoroastrismo: a religião dos sassânidas

➡️ Batalha de Edessa, uma derrota romana!

Confira a cunhagem do Império Parta.

Ascensão do Império Parta

Os partas começaram como uma tribo iraniana semi-nômade, os Parni, que migraram para o nordeste do Irã, que se separou do império selêucida em ruínas, por volta de 250 a.C.

Os Parni logo emitiram suas próprias moedas, representando seu chefe sem barba, Ársaces, usando o bashlyk, o distinto boné de feltro macio dos cavaleiros das estepes. No reverso, um arqueiro sentado segura um arco, e o nome Ársaces está inscrito em grego. Nos exemplos mais antigos, o título “Geral” é adicionado, nas edições posteriores ele é denominado “Rei” e depois “Grande Rei” em grego.

Moeda do primeiro rei parta, Ársaces.
Moeda de Ársaces I. O reverso mostra um arqueiro sentado carregando um arco. Uma inscrição grega à direita diz ΑΡΣΑΚ [ΟΥ] (de fora). A inscrição abaixo do arco está em aramaico.

Sob Mitrídates I (governo de 171-139 a.C.) e seu sobrinho Mitrídates II “O Grande” (121-90 a.C.), o reino conquistou grande parte do Irã e do Iraque modernos!

A excelência parta em equitação e arco e flecha compensava, em certa medida, seu número limitado e políticas instáveis. Os legionários romanos aprenderam a temer a precisão e o poder de um “tiro parta”, a partir do arco curto e duro de um arqueiro em retirada.

Cunhagem dos Partas

O Império Parta cunhou moedas em prata e bronze. Entretanto, não há padrões de ouro autênticos, pois o ouro era reservado para joias. Inicialmente, a prata era de alta pureza (95%). No final do império, era uma liga degradada com mais de 60% de cobre e outros metais.

A denominação mais comum era o dracma de cerca de quatro gramas. Depois que os partas conquistaram a grande capital selêucida de Seleucia, no Tigre (cerca de 32 quilômetros ao sul da moderna Bagdá), a cidade cunhou belos tetradracmas no estilo grego helenístico.

Cerca de 50 governantes partas emitiram moedas, mas o nome “Ársaces” ficou imobilizado como o título dinástico (tanto quanto “César” se tornou um título romano, e não um nome pessoal). Como os imperadores romanos, os reis partas adoravam exibir seus títulos em moeda. E, ao contrário dos romanos, eles escreviam tudo na íntegra, sem abreviações. Por exemplo, Orodes II (57-38 a.C.) se denominou: “Rei dos reis, Ársaces, o benfeitor, o justo, o ilustre, amigo dos gregos.”

Anverso de moeda parta que traz o rei Orodes II, amigo dos grgeos.
Retrato de Orodes II no anverso de um dracma, mostrando-o de barba e diadema na cabeça.

Os cortadores esforçavam-se para fazer tudo encaixar, e os títulos costumam sair das bordas das moedas. Muitos tetradracmas têm uma data (alguns com mês e ano!) de acordo com a era selêucida, e foram identificadas cerca de 14 cunhagens diferentes.

Uma peculiaridade da cunhagem do Império Parta é a “verruga real” – um ponto na testa do rei que aparece nas moedas de cerca de 18 réguas, começando com Mitrídates II (123-88 a.C).

Em alguns casos, uma mecha de cabelo esconde discretamente a verruga. Segundo uma teoria, essa “verruga” é um tumor facial benigno que é parcialmente hereditário. Os partas podem ter considerado isso como uma marca de sangue real!

Guerra contra Roma

Em 53 a.C, sete legiões romanas sob Marcus Licinius Crasso (que haviam esmagado a revolta dos escravos de Espártaco) avançaram para o território parta na Síria. Elas foram aniquiladas por uma força de cavalaria parta com um quarto do seu tamanho. Crasso e seu filho foram mortos e as insígnias da águia legionária sagrada foram capturadas!

Representação da águia legionária, símbolo do exército romano.
Representação da águia romana, usada como insígnia pelo exército romano em suas batalhas.

Júlio César estava planejando uma campanha contra o Império Parta para vingar essa derrota quando foi assassinado em 44 a.C. Nas guerras civis que se seguiram, os partas ficaram do lado dos assassinos de César.

➡️ Os Idos de Março e o Denário Eid Mar – Blog

Em 20 a.C., em um triunfo da diplomacia romana, o imperador Augusto obteve o retorno das águias legionárias perdidas por Crasso. Este evento foi comemorado no verso de um denário romano, representando um parto ajoelhado oferecendo o objeto sagrado, com a orgulhosa inscrição SIGN [IS] RECE [PTIS] – “as insígnias retornadas”.

Declínio e queda

Como presente diplomático, Augusto enviou ao rei parta Phraates IV uma escrava italiana chamada Musa. Ela deu ao rei um filho. Em 2 a.C., ela envenenou o rei e governou como regente de seu jovem filho, Phraataces, chocando os partas ao se casar com ele.

Moeda antiga do Império Parta com rainha que casou com próprio filho.
Busto de Phraataces, diademeado e coberto; coroado por Nikes na esquerda e direita. No reverso, busto coroado de Musa. Datado de 2 a 4 d.C.

Em suas moedas raras, (inscrita “Deusa Celestial, Rainha Musa”), ela usa uma tiara elaborada que parece um bolo de casamento moderno. O casal incestuoso foi derrubado e morto por volta de 4 d.C.

O declínio do Império Parta é evidente na cunhagem do terceiro século. Os cortadores de matrizes não tentavam mais seguir o estilo o grego – as inscrições são uma mistura ilegível de letras aramaicas e traços e pontos aleatórios.

Vologases VI (governo de 208-218) e seu irmão Artabanus V (216-224) travaram uma guerra civil de 16 anos que enfraqueceu fatalmente o império!

Os gravadores não podiam mais modelar um retrato realista, então a imagem do rei é simplificada para um desenho parecido com um desenho animado. Da mesma forma, o arqueiro sentado invertido, repetido infinitamente em moedas partas, é reduzido a uma figura grosseira.

Em 224, Artaxes I, governante tributário de um reino cliente do sul, derrubou o último rei parta e estabeleceu a dinastia que conhecemos hoje como o Império Sassânida!

Moeda de Artaxes I, que deu fim ao Império Parta.
Dracma de prata do Xá Sassânida, Artaxes I.

➡️ Zoroastrismo: a Religião do Império Sassânida – Blog

Você já conhecia essas moedas? Aqui na Jafet Numismática você encontra moedas partas e de outras civilizações para sua coleção! Todas as peças acompanham certificado de autenticidade LIFETIME e possuem FRETE GRÁTIS para todo o Brasil!

Quero conhecer as moedas disponíveis


Confira nossas moedas disponíveis

2 comentários em “A cunhagem do Império Parta”



O QUE VOCÊ ACHOU DESSE ARTIGO?

Deixe o seu comentário, dúvida ou sugestão! Assim a gente melhora ainda mais o nosso conteúdo. Afinal, o conhecimento se faz em conjunto 😀
Obs.: o seu e-mail não será divulgado.

5 × três =

« voltar topo ↑