Império Selêucida: História e Cunhagem


O Império Selêucida foi um dos principais estados helenísticos formados após a morte de Alexandre, o Grande, em 323 a.C. Os selêucidas governaram um vasto território que se estendia do Egeu até a Bátria (região do Afeganistão e do Tadjiquistão). O poderoso Império permaneceu uma força dominante por quase três séculos, até que foi absorvido pela nova superpotência da época: Roma.

Você também vai gostar de descobrir:

➡️ Quem foram os trácios?

➡️ Sucessores de Alexandre

➡️ Átila e a queda de Roma

Confira a história do Império Selêucida, da sua ascensão até sua queda!

Fundação do Império Selêucida: Seleuco I Nicátor (312-281 a.C.)

Após a morte de Alexandre III da Macedônia em 323 a.C., os territórios que ele conquistou foram divididos entre seus generais, os chamados Diadochi. Seleuco, um dos principais generais de Alexandre, tornou-se sátrapa (governador) da Babilônia em 321 a.C., dois anos após a morte do conquistador macedônio.

Na prolongada luta entre os ex-generais de Alexandre pelo controle do império Alexandrino em desintegração, Seleuco ficou do lado de Ptolomeu I do Egito contra Antígono I, o sucessor de Alexandre no trono da Macedônia, que expulsou Seleuco da Babilônia.

Leia depois: ➡️ A Era de Alexandre, o Grande
(E-book grátis)

Em 312, Seleuco derrotou o rei macedônio, Demétrio, usando tropas fornecidas por Ptolomeu. Mesmo com uma força menor ele tomou a Babilônia naquele mesmo ano, fundando o império Selêucida! Em 305, tendo consolidado seu poder sobre o reino, ele começou gradualmente a estender seu domínio para o leste até o rio Indo e para o oeste até a Síria e a Anatólia, onde derrotou de forma decisiva Antígono em Ipsus em 301.

Tetradracma do primeiro rei do império Selêucida, Seleuco I Nicátor.
Tetradracma de prata de Seleuco I cunhado c. 295-280 a.C. Anverso: cabeça de Zeus com diadema em alto relevo. Reverso: Atena conduzindo biga de elefantes com chifres.

Assim, Seleuco I era rei das províncias orientais – aproximadamente o atual Afeganistão, Irã, Iraque, Síria e Líbano, junto com partes da Turquia, Armênia, Turcomenistão, Uzbequistão e Tadjiquistão.

O imenso reino tinha duas capitais, fundadas por volta de 300 a.C.: Antioquia na Síria e Selêucia na Mesopotâmia (Iraque). A dinastia Selêucida durou dois séculos, durante os quais a arte helenística, uma fusão das tradições artísticas gregas e do Oriente Próximo, se desenvolveu e floresceu.

Em 281 a.C. ele anexou o território trácio Quersoneso. Naquele mesmo ano, ele foi assassinado por Ptolomeu Cerauno, filho de Ptolomeu I.

Antíoco III, o Grande (223 a.C. a 187 a.C.)

Seleuco foi sucedido por seu filho mais velho, Antíoco I Sóter, que reinou até 261 e foi seguido por Antíoco II (reinou de 261–246), Seleuco II (246–225), Seleuco III (225–223) e Antíoco III, o Grande (223-187).

O reinado de Antíoco III foi marcado por amplas reformas administrativas. Muitas das características da antiga administração imperial persa, adotada por Alexandre, foram modernizadas para eliminar uma estrutura de poder marcada pela rivalidade entre figuras militares e políticas. Dessa forma, o império era administrado por stratēgoi provinciais, que combinavam o poder militar e civil. Os centros administrativos estavam localizados em Sardis, no Oeste, e em Seleucia, no Tigre, no Leste.

Entre 209-204 a.C., Antíoco III “o Grande” reconquistou grande parte das regiões que o império perdeu para os Parni por volta de 246 a.C. (da Pártia, atual Irã). No Ocidente, o rei selêucida travou várias guerras contra a dinastia ptolomaica do Egito. As forças egípcias foram esmagadas em 200 a.C., e os Ptolomeus foram forçados a ceder a Palestina a Antíoco, que foi proclamado conquistador do Oriente. Em 196 a.C., Antíoco cruzou o Helesponto e dois anos depois acrescentou a região da Trácia ao seu império.

Tetradracma do rei selêucida Antíoco III, o Grande.
Tetradracma de prata de Antíoco III, cunhado c. 203 – 187 a.C. Anverso: cabeça com diadema de Antíoco à direita. Reverso: deus Apolo sentado à esquerda, nu, examinando a flecha na mão direita, descansando a mão esquerda no arco apoiado atrás.

➡️ Conheça as moedas selêucidas disponíveis – Loja Online

Ao controlar a Anatólia e suas cidades gregas, os selêucidas exerceram um enorme poder político, econômico e cultural em todo o Oriente Médio. Seu controle sobre as passagens estratégicas da montanha Taurus entre a Anatólia e a Síria, bem como o Helesponto entre a Trácia e a Anatólia, permitiu-lhes dominar o comércio na região. Os assentamentos selêucidas na Síria, principalmente em Antioquia, eram centros regionais pelos quais o império selêucida projetava sua influência militar, econômica e cultural!

Em 190 a.C., os soldados romanos pisaram pela primeira vez na Ásia. No ano seguinte, um exército selêucida de 75.000 pessoas enfrentou as forças romanas que somavam apenas 30.000 na Batalha de Magnésia. Apesar das probabilidades, Antíoco foi completamente derrotado e o império selêucida perdeu suas possessões na Anatólia (Turquia).

Existem duas versões sobre a morte de Antíoco III. Na primeira, ele e outros nobres foram mortos em batalha pelos elimeus. Na segunda, ele foi assassinado em um templo em Baal, onde tinha ido para tentar recuperar uma parte do dinheiro que tinha que pagar aos romanos.

Territórios do Reino Selêucida entre 200-64 a.C.
Império Selêucida entre 200-64 a.C.

A queda do Império Selêucida

A resistência das províncias selêucidas à hegemonia cultural grega atingiu o pico durante o reinado de Antíoco IV. Em 168 a.C., para promover a cultura grega, Antíoco IV profanou o templo de Jerusalém com a elevação de uma estátua de Zeus! Ele havia anteriormente ordenado aos judeus que construíssem santuários para ídolos proibindo, sob pena de morte, a prática da lei judaica.

Essa perseguição aos judeus e a profanação do Templo desencadeou o levante dos macabeus que começou em 165 a.C. Um quarto de século de resistência dos macabeus terminou com a luta final dos selêucidas pelo controle da Judéia e a criação de uma Judéia independente na Palestina.

No mesmo período, os Parni estavam estabelecendo seu poder no Irã e na Mesopotâmia, formando o império parta. Isso culminou na captura da cidade de Selêucia em 141 a.C.

No primeiro século a.C., o poder selêucida foi ainda mais minado quando o rei Tigranes da Armênia expandiu seu reino para a Síria. Isso trouxe as forças romanas de volta à Ásia!

Quando foi finalmente conquistado pelos romanos em 64 a.C., sob liderança do general Pompeu, o anteriormente poderoso império selêucida estava confinado às províncias da Síria e da Cilícia oriental, e mesmo essas estavam sob tênue controle.

Moeda de prata antiga de Antíoco IV do império Selêucida.

As moedas do império Selêucida

A cunhagem do Império Selêucida é baseada nas moedas de Alexandre, o Grande, que por sua vez foram baseadas na cunhagem ateniense do peso ático. Existiram muitas casas da moeda que cunharam diferentes padrões em abundância, principalmente moedas de bronze e de prata. Uma grande concentração de casas da moeda existia na Selêucida Síria, uma vez que as partes mediterrâneas do império dependiam mais da moeda na função econômica.

O símbolo do poder selêucida era a âncora, que foi colocada no anverso de moedas representando Alexandre postumamente. A primeira casa da moeda real selêucida estava em Selêucia. Antioquia, como nova capital, tinha a casa da moeda mais importante depois que Seleuco I transferiu trabalhadores da casa de Selêucia para lá.

Denominações

As denominações das moedas de prata foram baseadas no Obol grego:

🔸1 Obol: Âncora, Arco e Aljava.

🔸2 Diobol: Arco e Aljava

🔸3 hemidracma

🔸6 Dracma: Âncora

🔸24 Tetradracma: elefante

A cunhagem de bronze foi emitida em cinco denominações (em chalkoi). Algumas dessas moedas possuíam a borda serrilhada (em formato de tampa de garrafa). O peso e o tamanho dessas peças variavam:

🔸Tamanho A: 23+ mm = 10+ g

🔸Tamanho B: 18–23 mm = 6,77–8,63 g

🔸Tamanho C: 13–17 mm = 3,88 g

🔸Tamanho D: 12–13 mm = 1,59 g

🔸Tamanho E: 10–12 mm = 1,13 g

3 moedas de bronze em formato de tampa de garrafa, com as bordas serrilhadas
Moedas de bronze no típico formato de tampa de garrafa.

Além de peças em bronze e prata, o império Selêucida também cunhou raros estáters de ouro.

Você já conhecia essas moedas? Aqui na Jafet Numismática você encontra um vasto acervo com moedas de diferentes civilizações da antiguidade. Todas as peças são autênticas (possuem certificado de autenticidade) e podem ser adquiridas com frete grátis para o Brasil inteiro!

➡️ Quero conhecer as moedas disponíveis


Confira nossas moedas disponíveis

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE ARTIGO?

Deixe o seu comentário, dúvida ou sugestão! Assim a gente melhora ainda mais o nosso conteúdo. Afinal, o conhecimento se faz em conjunto 😀
Obs.: o seu e-mail não será divulgado.

três × três =

« voltar topo ↑