Muralha de Adriano: uma proteção contra os bárbaros


A Muralha de Adriano eram fortificações de pedra construídas no século II d.C. pelo Império Romano anos após a conquista da Britânia (Grã-Bretanha).

A estrutura original se estendia por mais de 110 km através do interior do norte da Inglaterra do rio Tyne. Incluía vários fortes, bem como um valo projetado para proteger contra tropas invasoras.

Hoje, é Patrimônio Mundial da UNESCO e uma grande atração turística. Acompanhe abaixo tudo sobre o assunto!

Você também vai gostar de ler:

➡️ Moedas das viagens de Adriano

➡️ Como era a vida do soldado romano?

➡️ Armas retratadas nas moedas antigas

Conheça a história da muralha de Adriano.

A conquista da Britânia

Os romanos viam a antiga Grã-Bretanha como uma ilha misteriosa à beira do mundo conhecido. Eles tentaram invadir a ilha da Britânia pela primeira vez em 55 a.C., enquanto estavam sob o governo de Júlio César.

Embora a manobra militar de César não tenha sido bem-sucedida, os exércitos do Império Romano novamente fizeram um movimento para conquistar a ilha por ordem do imperador Cláudio (41-54 d.C.), que anexou o território ao império romano em 43 d.C.

No entanto, a Britânia era povoada e governada por várias tribos celtas. Assim, os romanos ainda encontravam resistência feroz dos guerreiros celtas.

Moeda antiga do imperador Cláudio em comemoração à anexação da Britânia ao império romano.
Denário que apresenta o imperador Cláudio laureado no anverso. No reverso mostra DE BRITANN em arquitrave de arco triunfal encimado por estátua equestre deixada entre dois troféus. Datado de 49-50 d.C.

➡️ Confira as moedas antigas do imperador Cláudio – Loja Online

Caledônios

Sob o governo do imperador Vespasiano (69-79 d.C.), os romanos queriam desesperadamente que a região da atual Escócia fosse parte de seu crescente império. No entanto, os lutadores caledonianos que habitavam o local lutavam com firmeza!

Os soldados romanos, sob a liderança de Júlio Agrícola, derrotaram os caledônios, matando cerca de 30.000 em 81 d.C. Desse modo, o império pôde considerar pelo menos parte da Escócia sob seu controle. Ainda assim, os caledônios que sobreviveram ao ataque de Agrícola fugiram para as colinas e permaneceram teimosos oponentes dos romanos!

Nas décadas seguintes, os caledônios continuaram a trazer problemas, montando numerosos ataques ao posto avançado do norte do império.

Ascensão do Imperador Adriano

Denário romano do imperador Adriano.
Denário que mostra o busto do imperador Adriano laureado e drapeado no anverso. No reverso apresenta Roma sentada à esquerda na couraça, escudo ao seu lado atrás, Vitória na mão direita, lança vertical na mão esquerda.

➡️ Veja mais moedas do imperador Adriano – Loja Online

Quando o imperador Adriano chegou ao poder em 117 d.C., ele percebeu que era inviável que os romanos tentassem expandir seu território para todas as direções. Assim, ele interrompeu a política expansionista de seu predecessor, Trajano (98-117 d.C.), e decidiu proteger o que os romanos já tinham dos caledônios e outros povos considerados bárbaros.

Adriano ordenou aos governadores romanos da Britânia que começassem a construir um muro — que mais tarde seria nomeado em homenagem a ele — para defender de ataques a parte da Grã-Bretanha que eles controlavam. Nas palavras de Adriano, eles queriam “separar os romanos dos bárbaros” ao norte.

Estudiosos acreditam que o muro também pode ter servido como meio de restringir a imigração e o contrabando para dentro e para fora do território romano.

Onde fica a muralha de Adriano?

A Muralha estava localizada no norte da Inglaterra moderna. Na sua parte mais longa, media 118 quilômetros e se estendia de Wallsend-on-Tyne, no Leste, a Bowness-on-Solway, no Oeste.

Mapa da muralha de Adriano

Mapa da Muralha de Adriano mostrando sua rota e extensão, e principais fortes:

Muralha de Adriano mapa.

A muralha de Adriano

A própria Muralha foi construída com blocos de pedra, mas seu tamanho variou ao longo do percurso. A seção leste tinha aproximadamente 3 metros de largura e 4,2 metros de altura, mas a seção oeste tinha 6 metros de largura e 4,2 metros de altura. Os últimos 6 quilômetros do Muro nas direções leste e oeste foram construídos no final — e a largura foi reduzida para apenas 2,5 metros.

Havia também um valo (vallum) em forma de V em frente ao Muro, que tinha 8,2 metros de largura e 3 metros de profundidade. Um vallum também foi construído atrás dos fortes na Muralha para segurança extra. Este era essencialmente um baluarte de relva com paliçadas no topo, que tinha 6 metros de largura e 3 metros de profundidade.

Fortes, castelos de milhas e torres foram posicionados em intervalos regulares ao longo da Muralha de Adriano. Castelos de milha (portões fortificados) estavam localizados a cada milha romana (1481 metros) e torres (torres de observação) estavam a cada terço de milha romana (494 metros).

Os fortes forneciam alojamentos para unidades militares, bem como edifícios de armazenamento e administração. Muitos dos fortes ligados à Muralha de Adriano foram realmente construídos antes do muro se tornar uma estrutura formal e fronteira. Alguns fortes mais antigos estavam localizados em frente à Muralha. Estes incluíam fortes de posto avançado, como os de Bewcastle, Birrens e Netherby.

Esses fortes não foram habitados permanentemente, mas forneceram uma base estratégica para campanhas ao norte. Dezesseis fortes foram colocados na rota da Muralha e o restante estava atrás dela no Stanegate. Esta foi uma estrada construída no reinado do imperador Trajano conectando fortes de Corbridge a Carlisle.

Foto atual da muralha de Adriano extensão.
Uma vista da Muralha de Adriano mostrando seu comprimento e altura. As pedras verticais em cima são modernas, para dissuadir as pessoas de andarem sobre ela.

Um lar para as legiões e militares

Unidades de várias legiões romanas foram para a Britânia de todo o império para construir a Muralha na década de 120 d.C. No final do reinado de Adriano, as tropas da guarnição postadas na Muralha eram entre 9.000 e 15.000 homens!

Uma das principais razões pelas quais a Muralha foi construída foi para fornecer uma base importante para os militares romanos em toda a província. Mas também é importante notar que alguns soldados passaram anos de suas vidas nesse lugar. Para muitos, teria se tornado não apenas um local de trabalho, mas também um lar.

Os fortes militares na Muralha de Adriano eram mais como pequenas cidades fortificadas. Além de quartéis para dormir, os fortes também incluíam hospitais, celeiros, capelas sagradas e prédios administrativos. Muitas vezes havia até uma grande vila para o comandante e sua família. Um dos fortes mais bem documentados na Muralha é Vindolanda, localizado na estrada Stanegate, 40 km a leste da atual Carlisle.

Tábuas encontradas no forte de Vindolanda, na muralha de Adriano.
Tabuinha de escrita descoberta em Vindolanda. O texto é um convite de aniversário de Claudia Severa para sua irmã Sulpicia Lepidina, 97-113 d.C. Essas tábuas foram encontradas em 1970 e davam uma noção de como era a vida nesse forte através de cartas pessoais, convites, listas de tarefas, etc.

A muralha e o legado do imperador Adriano

Apesar de ter sido construída principalmente como delimitação de fronteira para o império romano — e para fornecer proteção contra inimigos hostis e uma base para unidades militares —, a Muralha de Adriano foi um monumento duradouro a esse governante, um imperador que valorizava a paz e a estabilidade acima da expansão militar e do triunfo pessoal!

Esse grande muro representava o melhor da engenharia e infraestrutura romana. O tamanho e a resistência da Muralha, com sua presença militar, serviram como um lembrete constante para a população local de que viviam sob controle romano.

Muito do sucesso do Império Romano deveu-se à capacidade de subjugar as populações locais e criar províncias estáveis ​​de forma eficaz. A presença da Muralha, sem dúvida, contribuiu muito para o sucesso da ocupação romana na Grã-Bretanha, que durou mais de 400 anos!

Moeda de cobre do imperador Adriano.
As de cobre com excelente retrato do imperador Adriano, datado de 125-128 d.C. Salus em pé à direita, segurando e alimentando a cobra da patera à esquerda. Senatus Consultum.

Já conhecia essas moedas romanas? Aqui na Jafet Numismática você encontra um vasto acervo de peças para sua coleção. Todas as moedas disponíveis na Jafet acompanham certificado de autenticidade (sem custo adicional!) e frete grátis para todo o Brasil.

➡️ Quero conferir as peças disponíveis


Confira nossas moedas disponíveis

4 comentários em “Muralha de Adriano: uma proteção contra os bárbaros”


  1. Excelente amigo Jafet !
    Dados que não sabia sobre a Muralha! Espero mais histórias como esta . Os Caledonios eram os pictos . Escoceses do norte vindos da Noruega . Regiões mais frias .

  2. Isaac disse:

    Obrigado pelas relevantes informações da história romana.

    1. Estamos ao seu dispor Isaac!!!


O QUE VOCÊ ACHOU DESSE ARTIGO?

Deixe o seu comentário, dúvida ou sugestão! Assim a gente melhora ainda mais o nosso conteúdo. Afinal, o conhecimento se faz em conjunto 😀
Obs.: o seu e-mail não será divulgado.

4 + 14 =

« voltar topo ↑