Espártaco, o escravo que se rebelou contra Roma


Espártaco (Spartacus) foi um gladiador trácio que liderou uma revolta de escravos com um exército de dezenas de milhares. Ele derrotou as forças romanas mais de meia dúzia de vezes, marchando seu povo para cima e para baixo na península Itálica até ser morto em batalha em abril de 71 a.C.

Você também pode se interessar:

➡️ Símbolos cristãos nas moedas romanas

➡️ Níveis de conservação das moedas antigas

➡️ Coliseu de Roma: espetáculo de gladiadores

Conheça a história de Espártaco, o escravo que desafiou Roma.

Quem era Espártaco?

Espártaco era um gladiador trácio. Pouco se sabe sobre sua vida antes de se tornar um dos líderes escravos na Terceira Guerra Servil, a guerra do levante de escravos contra a República Romana.

Em geral, acredita-se que ele serviu no Exército Romano e desertou. Algumas fontes ainda dizem que liderou incursões de bandidos. O que se sabe é que ele foi capturado e vendido como escravo.

A Revolta de Espártaco

Em 73 a.C., setenta e oito gladiadores conseguiram escapar da escola de luta de Cnaeus Lentulus Batiatus em Cápua. Eles descobriram um transporte de armas de gladiadores, ficando fortemente armados, e ocuparam uma montanha: o Monte Vesúvio.

Os gladiadores elegeram três líderes: Espártaco, Enomau e Crixus. Provavelmente, eles representavam grupos étnicos: um trácio, um grego e um alemão.

Estátua de mármore do gladiador trácio Espártaco.
Estátua de Espártaco de Denis Foyatier (1830) no Museu do Louvre na França.

Primeira Resposta de Roma

Embora os escravos tenham elegido três líderes, as fontes antigas afirmam que Espártaco logo se tornou o comandante supremo. A notícia da revolta se espalhou rapidamente e muitos dos escravos das plantações em todo o país deixaram suas casas e se juntaram aos rebeldes.

O Senado Romano considerou tudo isso mais um incômodo do que uma ameaça e enviou uma força de soldados sem treinamento sob o comando do general Caio Cláudio Glabro para cuidar do problema.

Glabro e o Senado pensavam que um grupo de escravos em fuga seria facilmente derrotado. Mas Espártaco os surpreendeu! Glabro cercou o acampamento dos escravos na encosta da montanha, mantendo-os presos e se preparando para matá-los de fome.

No entanto, a montanha estava cheia de ramos de videira e o líder da revolta ordenou a seus homens que os costurassem em escadas com as quais pudessem descer uma área que Glabro havia negligenciado. Assim, suas forças atacaram por trás das linhas de Glabro, derrotando-o e saqueando o acampamento para armas.

Segunda Resposta de Roma

O senado romano percebeu que havia subestimado seriamente Espártaco, que agora comandava um exército de mais de 70.000 ex-escravos, e convocou os cônsules Publícola e Clodiano para liderar suas forças contra ele.

Denário do cônsul romano Clodiano datado da época da República Romana.
Denário do cônsul Cneu Cornélio Lêntulo Clodiano de 88 a.C. Anverso: busto do deus Marte à direita com capacete. Reverso: Vitória em biga à direita, segurando coroa e rédeas.

➡️ Conheça outras moedas da República Romana – Loja Online

O líder rebelde controlava o campo agora com novos recrutas migrando para sua causa quase diariamente. Espártaco não tinha intenção de marchar sobre Roma e liderou seu exército ao norte da Itália para cruzar os Apeninos e permitir que seus seguidores voltassem para suas casas. Sua força era muito grande para se mover sozinha, então ele a dividiu em duas partes e colocou Crixus no comando de uma delas.

Os romanos sob Publícola atacaram as forças de Crixus enquanto Clodiano atacou o contingente de Espártaco. As forças de Crixus foram derrotadas com perdas pesadas, mas Espártaco derrotou Clodiano e então expulsou Publícola do campo.

Uma fonte antiga conta que Crixus foi morto na batalha e Espártaco o honrou com o sacrifício de 300 prisioneiros romanos. Ele então queimou todas as carroças e suprimentos que não podia usar e marchou em direção a Roma com mais de 120.000 soldados de infantaria e um número desconhecido de cavalaria.

Marco Licínio Crasso

Quando Espártaco alcançou o estreito, um novo líder chamado Marcus Licinius Crassus (que depois faria parte do primeiro triunvirato junto com Pompeu e Júlio César) havia assumido o comando das forças romanas. Sabendo que muitos dos melhores soldados de Roma estavam fora da Itália, ele procedeu com cuidado ao mover-se contra Espártaco.

Em vez de tentar batalhar abertamente com seu inimigo no sul da Itália, ele construiu um sistema de fortificações centralizado em Melia Ridge em um esforço para prender Espártaco e matar de fome suas tropas. O líder da revolta dos escravos respondeu à situação oferecendo a Crasso um tratado de paz, que foi rejeitado.

Moeda de M. Crasso cunhada na Antioquia.
Moeda cunhada na Antioquia sob governo romano entre 54/53 a.C. por Crasso. Traz o busto do deus Zeus no anverso e Zeus sentado no reverso.

E-book grátis: ➡️ República romana – Famílias e moedas

Crasso crucificou um soldado romano onde todos podiam ver para servir como uma demonstração visual para seus próprios homens do que aconteceria a eles se não vencessem. Espártaco conseguiu romper a armadilha de Crasso, preenchendo uma de suas trincheiras (supostamente com corpos humanos) e usando sua cavalaria para perfurar.

Enquanto Espártaco escapava da armadilha de Crasso, ele enfrentou sérias consequências, pendendo milhares de soldados na fuga. Além disso, surgiu uma divisão no campo rebelde. Um grupo dissidente, que incluía muitas tropas celtas e alemãs, se separou de Espártaco e partiu por conta própria.

A força de Crasso ainda estava praticamente intacta, enquanto outras duas forças romanas estavam a caminho. Dessa forma, a força de Espártaco estava agora dividida e cada vez mais cercada e o cenário estava montado para a batalha final!

O fim de Espártaco

Na primavera de 71 a.C., as coisas desmoronaram. O grupo de rebeldes dissidentes foram derrotados por Crasso, provavelmente algum tempo antes de abril, na Batalha de Cantenna.

Após essa batalha, Espártaco recebeu a notícia de que uma frota romana havia desembarcado em Brundisium, esmagando as esperanças que os rebeldes tinham de sair da Itália usando aquele porto.

Apesar de poder ter tentado outro porto ou outra parte da Itália – e contando com uma força de, pelo menos, 30.000 soldados capazes de lutar – o líder rebelde decidiu se virar e atacar Crasso. Se Espártaco realmente queria isso, ou se seus homens decidiram por ele, não se sabe.

Mapa que mostra as movimentações na batalha final entre Espártaco e Crasso.
Batalha final entre Espártaco e Crasso.

A batalha final ocorreu em abril de 71 a.C. em algum lugar no vale do Alto Silarus. Crasso construiu trincheiras para bloquear a cavalaria dos rebeldes, o que gerou uma confusão violenta quando os homens de Espártaco pularam e tentaram impedir a construção.

A cavalaria dos rebeldes aparentemente foi incapaz de alcançar os atiradores e arqueiros de Crasso. O destemido Espártaco, à frente de suas tropas, e a pé, liderou um ataque dirigido ao próprio Crasso.

Existem vários relatos sobre a morte do líder dos escravos rebeldes, mas todos eles terminam com ele sendo cercado e morto. Com sua morte, seu exército se desfez e Crasso e as outras forças romanas (como as de Pompeu) perseguiram os rebeldes restantes!

O corpo de Espártaco aparentemente nunca foi identificado e ele provavelmente foi enterrado em uma vala comum com o resto de suas tropas. Embora a revolta de Espártaco tenha acabado esmagada, sua memória continua viva, mais do que os romanos que lutaram ou se opuseram a ele!

Representação artística da queda do líder rebelde, Espártaco, que desafiou Roma.
A Queda de Espátaco por Nikolo Sanesi (datado de antes de 1889).

Você já conhecia os detalhes desta história? No nosso Blog você encontra mais histórias como essa! Já na nossa Loja Online, você encontra um vasto acervo com moedas romanas e de outras civilizações para sua coleção. Todas as peças possuem certificado de autenticidade e frete grátis para todo o Brasil!

➡️ Quero conhecer as moedas disponíveis


O QUE VOCÊ ACHOU DESSE ARTIGO?

Deixe o seu comentário, dúvida ou sugestão! Assim a gente melhora ainda mais o nosso conteúdo. Afinal, o conhecimento se faz em conjunto 😀
Obs.: o seu e-mail não será divulgado.

um × quatro =

« voltar topo ↑